13 de março de 2009

Silent Hill (PSX)

Fabricante: Konami
Lançamento: 1999
Gênero: Survival Horror
1 Jogador

"Toda cidade tem seus segredos. Alguns são apenas mais nefastos do que outros".

Cá estamos denovo em uma sexta-feira 13. E novamente trago, para comemorar este dia, mais um review de um jogo de terror. Desta vez, um clássico absoluto do gênero terror, ou melhor "survival horror", Silent Hill.
Após algum tempo do sucesso estrondoso que fez Resident Evil, a Konami decide criar um game para competir com a série da Capcom, um game que seguisse os mesmo padrões do survival horror, mas que pudesse dar uma nova cara para um gênero já batido. Pois eis que surge Silent Hill, um desafiante ao nível.
Se em Resident Evil o que predominava era o suspense e a tensão gerada pelo fato de você ter que sobreviver dos zumbis e cia., em Silent Hill o medo psicológico e o horror são abordados com maior intensidade.

No jogo você assume o papel de Harry Mason, um escritor, que após perder sua esposa, resolve viajar em busca de um lugar calmo e tranquilo com sua filha Cheryl. Durante a viajem, enquanto passavam nas proximidades da cidade de Silent Hill, Harry perde o controle do carro ao tentar desviar de um vulto na pista e acaba se chocando contra um muro. Ao acordar numa densa neblina e com seu carro totalmente destruido, Harry percebe que sua filha Cheryl desapareceu, e então o jogo se incia, e você no comando, deve partir na busca pela filha perdida, em meio a um ambiente escuro, morbido e silencioso. Essa é a abertura do game, que lógicamente é toda contada numa incrível sequência de animação em CG e com uma música macabra ao fundo, pra fazer com que o jogador sinta uma pitada do clima que o jogo há de lhe apresentar.
Como dito anteriormente, o barato do jogo é o clima de terror e o medo psicológico que ele tenta passar, com uma atmosfera sinistra e em muitas vezes silenciosa e com pouca visibilidade, causando tensão e suspense, pois em qualquer sombra um monstro pode estar escondido, pronto para esfaquear sua perna ou voar em cima do seu cangote.

A cidade de Silent Hill é apresentada no jogo como uma cidade isolada e pequena, cheia de mistérios e histórias macabras, repleta de monstros abomináveis e o piór de tudo é que não existe um caminho de saída. O lugar é coberto em névoa e se o jogador quisér enxergar algo, deverá fazer uso de uma lanterninha que ilumina três palmos á frente, mas que já ajuda bastante. Logo no começo do jogo, Harry Mason encontra um rádio velho, que emite um barulho de estática sempre que alguma criatura das trevas está por perto. E como normalmente o jogador está perdido no meio da neblina ou da escuridão, você nunca sabe de onde vem a criatura até que ela se aproxime bastante de você, e acreditem, isso contribui imensamente com a tensão e suspense do jogo. Enquanto Harry perambula pela cidade, ele descobrirá que existem duas dimensões de Silent Hills: A primeira é uma cidade normal e a outra, uma versão infernal da pacata cidadezinha, onde todas as paredes estão enferrujadas, cobertas de sangue, e cheias de corpos amarrados em fios de arame farpado.
Harry Mason como um cara qualquer num lugar cheio de monstros, se utiliza de quase tudo que encontra pela frente para se defender, desde machadinhas e canos de esgoto, até pistolas e rifles (E existe até uma serra elétrica que é uma arma secreta!).

Os gráficos são ótimos e cumprem seu papel junto com a trilha sonora, que fazem com que o terror seja ambientado, mas quem merece destaque aqui são os efeitos sonoros, que são muito bem apurados, visto que até o barulho dos passos do personagem pode assustar depois de um bom tempo jogando.
Silent Hill ainda conta com 4 finais (2 bons e 2 ruins), que podem ser obtidos cumprindo algumas sidequests secretas e dependendo da forma como você lidará com o último chefe.
Sem dúvidas um clássico, considerado por muitos como um dos melhores jogos do Playstation, Silent Hill conseguiu trazer características únicas aos já batidos survival horror da época, trazendo um terror psicológico e abordando um tema com uma história passível de múltiplas interpretações (o que é uma coisa rara em termos de narrativa em games). Altamente recomendado. Mas lembre-se: Jogue á noite e com as luzes apagadas... se tiver coragem!!!

4 Comentários:

Sérgio disse...

Olha, eu nunca tive estomago suficiente para terminar qualquer jogo da série Silent Hill - esse primeiro já foi suficiente para eu ficar com um certo trauma psicológico - to falando sério rs.

O cara fica nervoso com os sons e com a tensão. Ao contrário de RE, SH ataca o psicológico, e muito forte.

Belo review, gostei bastante.

Toper Breath disse...

Cara, esse foi um dos poucos games que realmente me deu medo quando jogava. Aquela parte no comecinho que a câmera começa a mudar e derepente aparece um monte de monstrinhos esfaqueando sua perna e vc não tem pra onde ir!! Putz... fóra a escola e o hospital...
Paulera

Obrigado pelo elogio!

Thyago disse...

Lembro q quando o joguei pela primeira vez, tinha acabado d comprar meu psone, veio esse jogo q eu nunca tinha ouvido falar na vida. Na minha versao, na escola nao tinham os monstrinhos, mas pinguins com unhas gigantes. A cada sala ou corredor q eu entrava, era um suspense e um frio na barriga, sem saber o q ia encontrar...sem contar a sensaçao sufocante q a escuridao (principalmente) causava...me sentia na pele do Harry Mason, literalmente dentro do jogo... Entrei numa das salas, o radio começou a chiar. Procurei desesperadamente por um monstro, apontando minha arma para todos os lados, mas o q encontrei foi uma como uma alma, como um fantasma d um dos "pinguins" q matei...cabelos da kbça, pernas e braços arrepiados, mudei a direçao da lanterna e vi akela "alma" virar um vulto! Como q num impulsso, desliguei o psone completamente arrepiado e assustado...
Tive d me recuperar do susto e medo pra poder continuar o jogo, apenas no outro dia. Jogo q me prendeu e me impressionou! Excelente!!! Perfeito!! Enredo d filme!!
Tenho todos os outros jogos, exceto os d play3. Na minha opiniao, um dos melhores jogos d terror!!

Tonho Dc disse...

Top 5 do PsOne com certeza!