20 de maio de 2011

DESERT STRIKE


Em 1990 uma guerra por recursos estava prestes a estourar na Península do Golfo Pérsico. O Iraque, naquela época dominado pelo ditador Saddam Hussein, queria anexar o seu vizinho Kuwait como uma província e usurpar um dos bens mais valiosos daquele país, o petróleo. Dava-se inicio a uma guerra que na época foi conhecida como a “guerra do videogame”, por conta das imagens apresentadas pelos aviões bombardeiro americanos.

A guerra durou 6 meses, e em 28 de fevereiro de 1991 encontrou seu fim com a retirada das tropas do Iraque no Kuwait. Um ano após o seu término, um engenheiro mecânico com PhD sem qualquer experiência na área de games, criou um jogo com forte referência a esta guerra. Um game controverso e um dos mais vendidos e importantes na história do videogame. Em fevereiro de 1992 era lançado para o Mega Drive, Desert Strike: Return to the Gulf.

Qualquer semelhança com a vida real não é mera coincidência. No jogo você retorna à Guerra do Golfo, num estado fictício, com o objetivo de destruir as tropas do louco ditador Kilbaba (o Saddam Hussein do game) e acabar com o seu regime ditatorial. Essa simples tarefa tem que ser concluída utilizando apenas um helicóptero Apache AH-64. Ou seja, o exército de um helicóptero só (insano!). Com essa premissa não espere um game fácil. Desert Strike é um game altamente hardcore.

O jogo foi inovador em vários aspectos, notadamente por ser um shoot'em up não linear e com perspectiva isométrica. Não bastando isso, o game mescla momentos de ação delimitados por forte estratégia em tempo real. São várias missões apresentadas ao longo das 4 fases do game, desde resgatar soldados à destruir centros de comunicações, encontrar espiões, destruir aeroportos... e por aí vai.



Para completar as missões não basta apenas chegar lá e fazer o que foi pedido. É preciso planejar o roteiro de como fazer, por onde ir, que inimigos encontram-se próximo do objetivo e como eliminá-los, pois o helicóptero apresenta recursos limitados de munição, armadura e principalmente combustível. Você vai penar um bocado pra se manter vivo no jogo e ainda completar os objetivos estipulados. Essa é a grande sacada do game e que aumenta bastante o fator replay. Para os apressados isso é a morte, pois Desert Strike é um jogo que requer paciência e análise.

O game conta com belos gráficos e o trabalho na criação dos pixels, realmente, foi uma obra de arte. Pois o game não é em 3D, mas ele se comporta como se fosse; mais notadamente na movimentação do helicóptero ...é quase perfeita, e é daí que vem o charme do jogo.

Os mapas são outro elemento à parte no game. São simples de se ler mas que dão ao jogador todas as informações necessárias para completar as missões. Na verdade, o mapa é um grande aliado durante o jogo e você vai ter que consultá-lo bastante para cumprir com seus objetivos. Isso é algo muito legal, pois você vai se encontrar como um verdadeiro estrategista, traçando as melhores rotas que viabilizem as melhores posições de ataque e utilização de recursos, como combustível e armas. É simplesmente fantástico.





A trilha sonora do game só está presente mesmo na apresentação do jogo e nas telas de seleção de copilotos e etc. Durante o jogo só se ouve mesmo o barulho do helicóptero e os sons do cenário. Uma sacada legal, pois aumenta ainda mais a imersão no game, passando aquela ideia de concentração e preparo para o próximo ataque.

Desert Strike foi um game importante na época em que foi lançado; por suas inovações técnicas e pela proximidade dos fatos em que se encontrou com uma guerra real. Teve vários ports para diversos consoles de 8, 16, 32 e 64 bits e gerou uma sequência de games tão inesquecíveis quanto o primeiro, como Jungle Strike, Urban Strike, Soviet Strike e Nuclear Strike. A franquia Strike é um nome de peso na história do videogame e merece ser revisitada com carinho.



6 Comentários:

Heider Carlos disse...

Jogava muito quando criança, tenho o cartucho até hoje. Realmente é muito bom, e muito difícil também. alguns truques até ajudam (andar sobre a água pra não gastar combustível ^^). Pergunta: na segunda e na penúltima imagens há dois helicópteros. Não me lembro bem se são só parte do cenário. Você sabe se dá pra jogar de 2 em alguma versão?

Bons tempos de jogar sem entender bulhufas de inglês e adivinhar pelos itens piscando no mapa :D

Toper Breath disse...

Ótimo texto amigão! A sacada de usar a história da guerra do golfo foi animal!! Parabéns.
Esse joguinho era mesmo muito massa!
abraço

Albatross disse...

Realmente Desert Strike é um jogasso, Heider. Mas mesmo nos ports mais recentes não é possível jogar para dois ou em modo cooperativo. Seria o máximo rsrs

MarCel disse...

Esse jogo é muito bom. Na época eu mal conhecia Sonic e alguns poucos jogo do Mega. Fiquei fissurado desde a primeira vez que vi na locadora. Ô Saudade!

Parabéns pela resenha. O mais importante sobre o game foi descrito. Esse jogo é digno de muitos elogios e sem dúvida influenciou diversos outros ao longo dos anos

EdPontes disse...

Puta jogo! Até alguns meses atrás eu estava jogando ele no emulador do PC. Cara, como isso era bem sacado. Ótimo texto, meu velho e grande resgate.
Sacou? Resgate... Desert Strike... hehehe!
Sucessos e abração.

Andre Silva disse...

era muito loco .lembro q joguei urban strik , nossa achei , massa depois joguei nuclear strik, com aquelas cenas rel de guerra e história massa. esse jogo da eletronic arts parabens ao criador